Empreendedor ensina as melhores práticas para se sair bem no mercado de vendas diretas

Um levantamento realizado pela ABVED (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas) constatou que muitos brasileiros têm recorrido a esse tipo de comercialização de produtos. Segundo o estudo, o número de trabalhadores dessa modalidade é estimado em mais de 4 milhões. Além disso, a renda gerada por essas pessoas chega a atingir 40 milhões de reais por ano.

De acordo com Leonardo Castelo, um empresário que há dez anos ingressou nesse tipo de venda, trata-se de algo bastante cômodo para os clientes, uma vez que estes costumam aguardar que os vendedores os visitem periodicamente. Em uma reportagem publicada pela coluna Brasil Econômico, veiculada pelo portal IG, o empreendedor que fundou a Ecoville, uma rede de franquias, discorreu sobre o assunto.

Castelo citou que uma etapa importante do processo de venda é justamente se preparar para o encontro com os clientes. Segundo o empresário, é imprescindível que o vendedor conheça as peculiaridades dos produtos que oferece, já que assim ele poderá melhorar seus argumentos diante do consumidor, algo que pode acabar gerando um número maior de vendas.

A realização de demonstrações de produtos também foi apontada por Castelo como um mecanismo de grande valia para alavancar o nível de consumo. As amostras grátis, de acordo com as orientações do empresário são bem vistas, pois futuramente o interessado em adquirir determinado produto irá se lembrar da marca e do vendedor através do material que lhe foi entregue.

A tecnologia, segundo o proprietário da Ecoville, é um meio poderoso de se vendar qualquer tipo de produto. Ele destaca, entretanto, que o vendedor não deve utilizar os canais de comunicação de modo a saturar o cliente com um grande número de mensagens. Castelo ainda salientou a importância de se conhecer a fundo os gostos da clientela, já que dessa maneira se torna mais fácil agradá-la.

A reportagem também levantou fatores que de acordo com o empresário são cruciais para que as vendas sejam efetivadas: a aparência do vendedor e do produto e a liberdade que se deve dar aos possíveis consumidores. Ele enfatiza que a pessoa que vende algo deve manter um bom aspecto de si própria e da mercadoria, além de jamais insistir de forma inconveniente para que alguém realize uma compra a todo custo.

 

Saiba mais:

http://economia.ig.com.br/2017-10-24/venda-direta-dicas.html