Empresa de aspiradores investirá 2 bilhões de libras em carros elétricos

A onda dos carros elétricos atingiu até mesmo a grande líder dos fabricantes de aspiradores a vácuo. Foi o que informou o britânico James Dyson, o famoso designer industrial conhecido por ter inventado o aspirador a vácuo e ter fundado a primeira empresa de aspiradores no mundo. Segundo o anúncio feito pelo empresário, a empresa começará a fabricar os veículos elétricos a partir do ano de 2020.

O empresário disse em um comunicado: “A Dyson começou a desenvolver um carro movido a bateria elétrica, cujo lançamento está previsto para 2020”.

A empresa também informou que o investimento será de 2 bilhões de libras, o que é equivalente a R$ 8,5 bilhões, para que o projeto possa finalmente sair do papel e ganhar as ruas do mundo.

Dyson explicou em uma entrevista em Londres que a empresa reuniu uma equipe com um total de 400 engenheiros especializados para que o projeto pudesse se desenvolver. Os carros elétricos da empresa serão os primeiros produtos vendidos pela empresa dentro do setor automobilístico e que fogem a linha de produtos originalmente da marca, como secadores, ventiladores, aquecedores e os aspiradores de pó.

Diversos países no mundo já anunciaram o fim da venda de combustíveis fósseis, como a gasolina e o diesel. No Reino Unido, o fim desse comércio começará a partir do ano de 2040. Assim como na França, que também estabeleceu o prazo máximo para até 2040 estar eliminando todo o comércio dos combustíveis fósseis.

O primeiro país a eliminar de vez o uso e o comércio desses combustíveis foi a Irlanda, que passou a proibir o uso dentro do país. Além disso, o país cortou todos os investimentos públicos em industrias que utilizam o combustível fóssil como matéria prima para a fabricação industrial.

Com o intuito da redução dos poluentes, o Brasil também pegou carona e anunciou que o governo estuda eliminar os combustíveis fósseis nos próximos anos. O prazo estimado pelos governantes brasileiros é de que em 2040 todos os carros circulem apenas com energia renovável, ou seja, elétricos e à base de etanol.

Por isso a necessidade de construir e se reinventar no setor automobilístico tem atraído o olhar de muitas empresas que nem sempre participaram da fabricação de automóveis.