Fábricas da Samsung na China podem estar violando direitos humanos

A gigante multinacional da Coreia do Sul do setor de eletrônicos, a Samsung, foi alvo de uma denúncia em Paris realizada por duas ONGs francesas, que acusaram a empresa de estar promovendo práticas comerciais duvidosas e desrespeitando leis que protegem os direitos humanos, em  suas fábricas localizadas na China.

Uma outra denúncia já havia sido feita por essas mesmas ONGs, que são a Peuples Solidaires e a Sherpa, contra a subsidiária da Samsung que fica na França, mas a ação foi arquivada há mais de quatro anos atrás.

A Samsung que é empresa que mais vende smartphones no mundo, está sendo acusada pelas ONGs de apresentar em suas fábricas chinesas, trabalho infantil, circunstâncias de trabalho impróprias e arriscadas, sendo que as ONGs afirmam que possuem provas de todas essas acusações.

As ONGs afirmam também que as fábricas estão utilizando metanol e benzeno, o que está causando doenças graves e incuráveis em diversos empregados chineses.

Essa ação possui fundamentos que revelam irregularidades na Samsung e na Samsung Electronics France, a sua subsidiária francesa. Essas denúncias foram obtidas através de novos relatos feitos em investigações, realizadas e rigorosamente documentadas pela ONG China Labor Watch, que conseguiu infiltrar pessoas nas fábricas e testemunhar todas as irregularidades que estão acontecendo dentro delas.

As ONGs Peuples Solidaires e Sherpa afirmam que a multinacional Samsung não está cumprindo os seus acordos éticos, mas que em seu site, a empresa líder do mercado mundial apresenta a intenção de ser uma das companhias mais éticas do planeta.

As organizações que fizeram as denúncias pediram aos tribunais, que possa ser aprovada essa brecha inadmissível entre os acordos éticos firmados e o que realmente está acontecendo dentro das fábricas, de acordo com o que foi relatado pelas ONGs depois que ocorreram as investigações.

Essa solicitação é apenas mais uma etapa do longo caminho que as ONGs estão percorrendo, na luta para que as grandes empresas não fiquem impunes depois de praticarem várias irregularidades.

As ONGs estão reconhecendo que os acordos firmados pela ONU, precisam garantir um tratado subordinado em que as grandes empresas não desrespeitem os direitos humanos em todas as suas fábricas, abrangendo toda a sua cadeia de produção.