Reaproveitamento de roupa é o negócio do momento entre os empreendedores

 

Resultado de imagem para Juliene Darin estilista 2017

Essa não é uma ideia nova, mas em tempos de crise e de sustentabilidade o reaproveitamento de roupa através da customização está na moda, e já tem gente de olho nessa oportunidade de ganhar dinheiro.

Convencional é um adjetivo que não se aplica a coleção de Julienne. Desde pequena ela transforma o próprio guarda-roupa e depois de formada em moda e de ter passado pelo mercado tradicional, ela fez desse talento a sua fonte de renda. “A proposta do meu negócio é garimpar as peças e reutilizar também os materiais de descarte, reciclando e transformando em uma peça totalmente nova”, disse a estilista Julienne Darin. Dar uma cara nova para peças antigas garantiu um crescimento de 50% no último ano para o negócio de Julienne. Um aumento que se opõe a forte queda de mais de 10% na indústria têxtil em 2016.

A nova proposta é oferecer aos clientes um produto totalmente exclusivo, e para isso acontecer, o empreendedor pode usar e abusar da criatividade usando qualquer roupa antiga. Como por exemplo, uma camiseta masculina e um lenço que estão em bom estado, mas que por vezes acabam ficando esquecidos dentro do guarda-roupa, com certa criatividade e habilidade, é possível transformar em uma peça nova e única.

Esse tipo de customização vai muito além do reaproveitamento de peças. “O cliente geralmente procura uma experiência no mercado, ele não quer só comprar uma peça de roupa. O cliente quer ter uma experiência quando está comprando e também está procurando empresas que oferecem sustentabilidade para o mercado. Esse pensamento mais responsável é extremamente importante, tanto para o consumidor quanto para o meio ambiente”, disse o consultor do Sebrae-SP, Bruno Zamith.

Os microempresários que querem entrar para esse setor, devem se capacitar, fazer um plano de negócios e conhecer bem seu público alvo. “Quando nós falamos de pequena empresa isso é essencial. O microempresário deve começar com um público mais reduzido, porque assim ele irá conseguir especializar a oferta e identificar uma proposta de valor diferenciada no mercado. Feito isso o microempresário tem que pensar em se especializar com questões de marketing, vendas, e comunicação com o cliente”, disse Bruno.

Outra dica interessante para os empreendedores que quiserem investir nesse segmento, é voltar as vendas para plataformas online. A internet se tornou grande aliada de quem quer empreender, isso porque com ela é possível alcançar muito mais clientes do que em um ponto comercial, já que atualmente a maioria das pessoas possuem um smartphone com uma conexão com internet.

Sendo assim, o empreendedor pode investir em uma loja virtual com designer atraente para seu público alvo, onde o cliente pode encontrar as peças customizadas, comprar e recebe-las em casa por correspondência. Além disso, o empreendedor também pode oferecer serviço de customização de alguma peça em específico, como palavras e fotos estampados em camisetas ao gosto do cliente.